Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Summer Girl #Capitulo 10#

por Silver Sky, em 29.09.13

Capitulo 10

Entro em casa e deparo-me com os meus tios e primos sentados no sofá com umas caras bastantes preocupadas. Mas ao verem-me a entrar em casa as suas expressões deles transformação em total alivio.

- Oh, querida! Tu estas bem? - pergunta o meu tio Edgar abraçando-me com bastante força, quase não me deixando respirar. - Nós telefonamos á polícia, mas eles não podia fazer nada...tu és maior de idade. - diz ele largando-me finalmente e eu pude desta maneira voltar a respirar.

- Sim. Estou bem. Não era preciso se terem preocupado. - respondo olhando para os meus dois primos e para a minha tia Anita.

- E onde passas-te a noite? - pergunta desta vez a minha tia que estava sentada na cadeira de rodas, mas atrás.

- Na casa do Tyler. Eu queria ir embora, mas a senhora Ward, não me deixou ir por causa da tempestade. - digo olhando para ela.

- Hum....e o que aconteceu ao teu pé? - pronuncia-se Alexandra desconfiada.

- Magoei-me, bati com ele numa pedra...mais nada. - disse olhando para a minha prima que continuava desconfiada, mas Delfim interrompe essa troca de olhares, ainda bem, porque eu já estava a ficar desconfortável com o seu olhar desconfiado.

- Então é melhor tratares desse pé. - diz o meu primo a sorrir para mim.

- Sim. Mas primeiro, tio, quero saber se telefonastes aos meus pais por causa disto? - pergunto olhando para o meu tio Edgar.

- Não, nós não o queria-mos preocupa-los. - responde ele olhando para a minha tia e depois para mim.

- Ainda bem. - respondo, pensando como se isso fosse possível! Eles preocuparem-se comigo! Nunca! - Bem é melhor ir tratar agora do meu pé. - virei-lhe as costas e caminhei na direcção da casa de banho.

 

***

Era de manhã, eu, os meus primos e as gémeas estávamos sentados nas nossas toalhas a aproveitar o belíssimo dia de sol e também a conversar sobre um de filme de terror que nos tínhamos visto. Claro que as nossas opiniões divergiam muito. Eu e Maria achamos o filme horripilante e desinteressante, enquanto Delfim, Alexandra e Jessica acharam o filme horripilantemente divertido, principalmente nos momentos em que algumas personagens morreram de uma maneira estúpida...resumindo tinham adorado o filme, ao contrário de mim e da Maria.

De repente Tyler, João e Rita, irmã de João e amiga de Tyler (uma rapariga de olhos verdes e de cabelo castanho claro) aparecem com uma bola de voleibol.

- Olá, pessoal! - diz Tyler animado como sempre e com um sorriso fabuloso.

- Olá. - respondemos, parando a nossa conversa que se estava a tornar numa discussão.

- Então já estas melhor do pé? - pergunta Tyler olhando para o meu pé, que tinha um penso rápido, por causa da pequena ferida que tinha feito na cascata.

- Sim. - respondo-lhe sorrindo.

- Bem...pessoal! O que me dizem o joguinho de voleibol? - pergunta João com a bola de voleibol na mão.

- A mim parece-me bem. - diz  Jessica levantando-se e Alexandra concorda.

- Eu alinho, o que dizes Delfim? - pergunta Maria para o meu primo.

- Ok... - responde com uma voz vaga e desinteressada (o meu priminho não era muito de desportos, era mais de ciências), mas pela Maria ele fazia tudo.

Maria fica toda contente com a resposta do namorado e dá-lhe um beijo e começo-me a rir, por causa da cara envergonhada que Delfim fez ao receber aquele beijo a frente de toda a gente.

- Então tu, vais jogar connosco? - pergunta Rita olhando para mim.

- Sim. Hoje apetece-me ganhar! - respondo com um sorriso, direccionado para Tyler.

- Isso, vamos ver. - diz ele sorrindo também.

***

Formamos equipas. Eu fiquei com Delfim (que era péssimo) e com as gémeas. Já Tyler ficou com a Rita, o João e a minha prima. Começamos a jogar e rapidamente a minha equipa começou a perder e eu claro comecei-me a passar, principalmente com Rita que me "bloqueava" todas as bolas quando eu rematava, não deixando que nenhuma passa-se para o seu lado do campo e isso estava-me a irritar muito...porque eu queria mesmo ganhar...porque eu era uma má perdedora e só me contentava com vitórias e nunca com derrotas. Isto nos desportos, porque no que toca ao amor. Eu era uma derrotada.

O jogo acabou e a minha equipa perdeu por 25-13. Foi um resultado mais do que mau. Foi um resultado péssimo. E para dizer a verdade eu odiava Rita! Eu sei que só tinha a conhecido hoje! Mas ela hoje tinha-me irritado por causa do jogo e eu estava-lhe com um ódio que nem conseguia ouvir a sua voz, que me enervava profundamente.

 

***

Eram oito horas da noite e eu estava na cozinha a fazer a o jantar. A minha tia Anita ajudava-me no que podia, mesmo depois lhe ter dito que não precisava de ajuda. Mas ela não me deu ouvidos, era teimosa! E agora já sabia a quem Alexandra saia com o seu feitio teimoso, que se tinha escapado com o pai dizendo que iam ao supermercado da vila, para não ajudar a fazer o jantar. E Delfim que era a nossa última hipótese para nos ajudar no jantar, também se escapou, dizendo que tinha de ir ver umas coisas na internet, para a escola. Uma desculpa esfarrapada porque estava-mos no verão, e nesta estação do ano quem se importa com a escola?! Ninguém!

- Então…como tu estás? – pergunta-me a minha tia dando-me a esparguete para mão.

- Estou bem. – respondo sorrindo para ele, partindo a esparguete e colocando-a na panela, que se misturou com a carne de vitela.

- E os rapazes? – pergunta a ela apanhando-me de surpresa.

- Estou a ver que Alexandra já andou a falar. – disse pegando numa colher de pau e começando a mexer a massa.

- Não. Ela simplesmente comentou algo sobre o Tyler. Mais nada. – diz a minha tia Anita com um sorriso dando-me o sal.

- Pois. Mas eu e o Tyler somos só amigos. – digo colocando o sal na massa de vitela e mexendo novamente com a colher de pau.

-É por causa do Luís? – pergunta ele curiosa, mesmo já sabendo qual era a resposta. “Sim”.

- Estou a ver que o comentário de Alexandra foi longo. – responde com uma voz irónica e com um sorriso.

A minha tia Anita olha para mim, encolhe os ombros retribui-me o sorriso e de repente desatamos as duas a rir. Mas fomos interrompidas por Delfim, que entra na cozinha.

- Qual é a piada? – pergunta confuso e curioso.

- Nenhuma. – responde a tia parando de rir, mas com um sorriso.

- O que queres? – pergunto, tapando a panela com testo, para deixar cozer a massa.

- O Luís está na sala a tua espera. – diz ele.

- O Luís?! – pergunto exclamando com uma cara surpresa e olho para a minha tia que também estava surpresa.

- Sim. Foi como ele disse que se chamava. – responde Delfim, confuso com a minha expressão aterrorizada e surpreendida.

- Não sabias que ele vinha? – pergunta a minha tia Anita.

- Não, ele não me avisou. Mas ok…eu vou ver o que ele quer. – digo saindo da cozinha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:36




Caindo das Estrelas

"Caindo das Estrelas" é o meu primeiro livro. Quem estiver interessado e quiser ler passe no site artelogy.com Obrigada