Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


New Blood -Capitulo 11

por Silver Sky, em 21.11.15

 

 

Capitulo 11

Mason pára a frente da casa de Tessa e de Alex. Respira fundo e bate a porta. Não esperando muito a porta abre-se, aparecendo Alex e depois Tessa que se encontrava um pouco atrás do rapaz.

-Desta vez, os teus amiguinhos não vieram? – pergunta Alex num tom sarcástico.

-Eu, não pedi ao Cedric nem a Natalie para virem falar com vocês. – responde Mason num tom sério. –Mas posso entrar?

Alex olha para Tessa que assenta com a cabeça. O rapaz desvia-se da entrada e Mason entra.

-O que queres? – pergunta Tessa numa voz ríspida.

-Falar. Convencer-vos a aceitar o meu casamento com Mia. Eu amo-a de verdade. – responde Mason de forma sincera, quase implorando. – Eu não quero começar nenhuma guerra.

-Já esqueces-te aquilo que os vampiros fizeram? Eles veem atacando a nossa alcateia, a nossa família, por séculos! – diz Tessa num tom autoritário e brusco. – Um deles matou o meu pai. E tu estas a pedir-nos para nós fazermos pazes com o inimigo?!

A revelação da morte do pai de Tessa, apanha Mason de surpresa. Tessa olha para Alex e este desaparece da entrada, aparecendo momentos depois enquanto Mason falava:

-Lamento pela morte do teu, Tessa. A sério que lamento. –  Mason tinha uma expressão sincera e triste. – Mas eu amo a Mia de verdade. Porque o nosso amor não pode ser igual ao vosso? – pergunta o rapaz, olhando para Tessa e Alex, que se entreolham.

Mason deveria ter reparado nas alianças de casados. Conclui o casal.

 -Porque ela é o inimigo e vai ser sempre! – diz Alex com alguma ferocidade na voz.

- Um lobisomem não casa com vampiros. Um lobisomem mata vampiros. – diz por fim Tessa de forma séria e fria.

De repente, num movimento rápido, Alex tira uma seringa de trás das costas e espeta-a no braço de Mason, injetando depois a substancia transparente.

Mason começa a sentir-se fraco e cheio de dores.

-Mas que raio? – pergunta Mason com a respiração irregular, perdendo as forças.

-Wolfsbane. – diz Alex, olhando para o amigo, que cai lentamente ao seus pés.

De repente Mason perde os sentidos e cai inconsciente no chão.

Tessa desaparece entrando na cozinha e aparecendo segundos de pois com uma corrente. Alex ajuda a mulher a amarrar Mason.

-Vai buscar o Jeep. Hoje vai ser uma noite longa. – diz Tessa para o marido.

 

Los Angeles, 2012

O relógio de pulso de Mason marcava a meia-noite. O Jeep de Alex pára a frente de um armazém abandonado.

-Porque a Tessa nos pediu para vir aqui?- pergunta Mason, confuso olhando para o amigo.

-Já vais ver. – responde Alex com um sorriso.

Os dois rapazes saem do Jeep e começam andar em direção da entrada do armazém. Alex abre a enorme porta de metal e os dois entram. Lá dentro encontrava-se Tessa e um homem, pendurado de cabeça para trás.

-Ainda bem que chegaram. – diz a rapariga com um sorriso, voltando-se para os dois rapazes.

-O que está a fazer ali um homem pendurado? – pergunta Mason confuso, olhando para Tessa e depois para o homem, que se encontrava meio inconsciente.

-Não é um homem. É um vampiro. – responde Tessa ao amigo. – E tu vais mata-lo.

Mason engole em seco com aquilo que Tessa tinha dito.

-Algum problema? – pergunta Alex, reparando na expressão que Mason tinha feito depois de Tessa lhe dizer que ele ia mata-lo.

-Nós não somos assassinos. – diz por fim Mason, olhando para os dois amigos.

-Tu não estás a perceber… - começa por dizer Tessa. – Ele não é humano. Ele é um vampiro, um assassino, que matou dezenas de lobisomens. Por isso não merece a tua, a nossa piedade. Porque acredita se fosse ao contrário ele mataria-te num piscar de olhos, sem mostrar qualquer compaixão ou piedade. – finaliza, aproximando-se de Mason.

Mason por sua vez fica em silêncio.

-Mason tu precisas de fazer isto. – fala desta vez Alex. – Temos ter a certeza que quando chegar a hora tu sejas capaz de proteger a nossa alcateia, a nossa família.

Mason respira fundo e aproxima-se do vampiro pendurado de cabeça para baixo.

O vampiro olha nos olhos de Mason. O seu olhar era vazio, inexistente de luz ou qualquer sentimento. Mason fecha olhos e quando os abre, estes encontravam-se amarelos brilhantes. A seguir as suas garras crescem e num só golpe, rápido e limpo, Mason corta a garganta do vampiro, manchando o seu rosto com o sangue deste.

 

A noite estava particularmente fria. Mas isso não afetava Natalie, que já estava habituada ao frio. Ela própria era o frio em pessoa. Mas nem sempre Natalie fora assim. Ela já fora bondosa e carinhosa, mas já lá vai o tempo que Natalie tinha uma vida normal e sonhava com um futuro risonho. Esse sonho virou pesadelo no dia em que foi transformada em vampira e o seu futuro risonho tornara-se cada vez mais sombrio a cada ano que passava. A única luz que existia agora no seu caminho era Cedric, que fazia Natalie  manter o equilíbrio entre o bem e o mal. Porque ela ficou de tão maneira envolvida na escuridão desde o momento que perdera a sua humanidade, que começara a gostar desse lado sombrio. Adorava ser temida pelos outros. Dava-lhe um certo poder. Mas era diferente com Mia e com as outras pessoas que Natalie se importava. Mia foi a primeira e a única pessoa que Natalie transformara e as duas tinham criado uma ligação única e forte. Apesar de serem da mesma idade, a morena sentia-se sempre na obrigação de proteger Mia. Considerava-a como uma irmã mais nova, por isso não gostava estar chateada com ela.

Natalie estava de pé quieta a olhar para o mar, sentido ao mesmo tempo a brisa fresca a bater-lhe no rosto, quando de repente sente a presença de Mia.

-Não sabia que eras uma rapariga de praia? – pergunta Mia, aproximando-se de Natalie que se vira para olhar para ela.

-E não sou. Tu sabes disso. – responde apenas a morena.

-És uma rapariga de Inverno. Adoras a chuva e o frio. – diz rapidamente a loira.

-O que posso dizer? Sou uma londrina de gema. – diz Natalie encolhendo os ombros e sorrindo.

Mia também sorri.

-Desculpa. – dizem as duas em uníssono.

-Tu primeiro. – diz Mia.

- Desculpa por me ter metido. Apenas queria ajudar…

-Eu sei, Nat. E desculpa por me ter passado contigo. Tu foste a minha mentora, ajudaste-me a sobreviver como vampira. Mas esta na hora de me deixares resolver os meus problemas sozinha. – diz Mia com um ar terno e sereno.

-Sim, eu sei. – responde Natalie com um sorriso. – Mas se precisares de mim, eu vou estar sempre aqui. – a morena sorri para a amiga.

-Eu sei. – Mia sorri e depois abraça Natalie.

De repente as duas são acertadas por dois dardos, e sentem uma substância a entrar no seu organismo.

-O que é isto? – pergunta Mia alarmada sentindo-se a ficar tonta.

-Verbena. – diz Natalie tirando o pequeno dardo do braço.

De repente as duas perdem os sentidos e caem ao chão.

Natalie e Mia fizeram as pazes *.*! E o flashback de Mason? Intenso não?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26


1 comentário

Imagem de perfil

De twilight_pr a 21.11.2015 às 21:50

Este capítulo e a forma como o terminaste deixou-me completo arrasada, quero ler mais :D é que mal posso esperar ^^

Comentar post